Salário digno para os profissionais de Enfermagem

Projeto de Lei 2573/2011, que fixa pisos salariais para Enfermeiros, Técnico de Enfermagem, Auxiliar de Enfermagem e Parteiras. Altera Lei 7.498/86, que regulamenta o exercício da Enfermagem. Projeto de Lei 4924/2009, que fixa pisos salariais para Enfermeiros, Técnico de Enfermagem, Auxiliar de Enfermagem e Parteiras. Altera Lei 7.498/86, que regulamenta o exercício da Enfermagem.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Tem gente que insiste em não ver - Nossa presidente representando o Sindicato em mais um evento - Vote em quem trabalha



Nesta quarta-feira, dia 13/7, ocorreu a solenidade de abertura do 1º Congresso Fluminense de Enfermagem na Atenção Primária à Saúde (COFENAPS), realizado no auditório do Centro de Convenções SulAmérica. Participaram da mesa a presidente do Sindicato dos Enfermeiros, Mônica Armada; a presidente da Aben/seção RJ, Sônia Alves; a assessora em Assistência da Atenção Básica da Secretária Estadual de Saúde, Sara Ferreira; a deputada estadual Enfermeira Rejane; o presidente do Coren-RJ, Pedro de Jesus Silva; a 1ª tesoureira do Coren-RJ e coordenadora geral do evento, Nadia Mattos Ramalho; o presidente do Cofen, Manoel Nery; o coordenador da Missão para os Cuidados de Saúde Primária do Ministério da Saúde de Portugal, Luiz Augusto Pisco; o representante da Secretaria Municipal de Saúde, Daniel Sorans; e a presidente da Federação Nacional dos Enfermeiros, Solange Caetana.

Durante os discursos proferidos pelos membros de entidades representativas de enfermagem e autoridades na área da saúde, foram frequentes as reverências sobre a ousadia do Coren-RJ na realização do primeiro congresso que discute a atenção primária, que, até aquele momento, já reunia em torno de 2 mil profissionais da saúde.

Após ter sido formada a mesa, o primeiro a discursar foi a coordenadora geral do evento e 1ª tesoureira do Coren-RJ, Nadia Mattos Ramalho, que, depois de agradecer a participação de todos os presentes e do grande papel da coordenação composta por Maria José Peixoto, Edson Alves de Menezes, Valdecyr Herdy Alves, Fátima Virginia Siqueira de Menezes, Edna Ferreira Campos, Fernando Rocha Porto e Raphael Silva Azevedo, falou da importância da criação deste novo espaço de debates da enfermagem fluminense. "Até então, nós, profissionais de enfermagem do Estado do Rio de Janeiro, não tínhamos um espaço para realizar debates, trocar opiniões técnicas e experiências profissionais e, a partir de agora, passaremos a ter".

O presidente do Cofen, Manoel Nery, enalteceu a iniciativa do Coren-RJ na realização do COFENAPS e falou sobre o crescimento da enfermagem ao eleger a enfermeira Rejane, como representante da enfermagem na Assembleia Legislativa. Em seu discurso, ele comenta também sobre o crescimento que vem ocorrendo na organização do movimento da enfermagem fluminense, desde a junta interventora. “Pude acompanhar e participar ativamente do processo de redemocratização que este plenário vem realizando a frente deste Conselho. E quero aqui elogiar a competência com que esses profissionais de enfermagem vêm realizando investimentos na fiscalização, formação e capacitação da enfermagem fluminense. É importante lembrar que este ano vai acontecer o momento mais importante, que servirá como um marco desta democracia, quando serão realizadas as eleições do Coren-RJ, a primeira nos últimos 15 anos e com mais de uma chapa, agendada para 11 de setembro deste ano".

Já a deputada Enfermeira Rejane falou da importância do Congresso como fórum de discussão de questões que estão na ordem do dia como a jornada das 30 horas e outras reivindicações da enfermagem nacional. “Este congresso tem o poder de deliberar sobre questões como a jornada das 30 horas e aprofundar as discussões sobre os problemas que a enfermagem enfrenta ao longo de vários anos. O Rio de Janeiro foi um dos Estados que mais sofreu com a falta de democracia e de fiscalização em sua entidade representativa de classe, o Coren. E durante anos não tínhamos ninguém pra nos defender e para fiscalizar as precárias condições de trabalho. Este plenário está de parabéns por todo o trabalho que vem realizando”. A deputada reverenciou também os enfermeiros Marcus e Edma que, em suas palavras, lutaram até a morte para que vários direitos dos profissionais de enfermagem fossem conquistados.

Foi reconhecido também, tanto pela representante da Secretaria de Estado de Saúde, como também pelo representante da Secretaria Municipal de Saúde, Daniel Sorans, o papel que o atual plenário do Coren-RJ vem cumprindo depois que passou pela intervenção. “Temos feito algumas parcerias com o Coren-RJ em eventos que promovem discussão sobre a atuação e capacitação da enfermagem na Atenção Básica e Clínicas da Família e reconhecemos a grande contribuição que esta entidade vem dando não só aos profissionais de enfermagem mas a todos que atuam nesses projetos. Hoje, essa entidade tem o reconhecimento e o respeito das autoridades de saúde no município e do Estado do Rio de Janeiro”.

A presidente do SindenfRJ, Mônica Armada, falou da importância de iniciativas como esta da realização do COFENAPS: “São iniciativas como esta que os profissionais de enfermagem do Rio de Janeiro estão precisando. A realização deste congresso contribui significativamente para o amadurecimento e para o crescimento do nosso movimento e de nossas lutas pela conquista dos direitos da enfermagem”.A presidente da Federação Nacional de Enfermagem, Solange Caetana, ressaltou em seu discurso a organização do movimento da enfermagem fluminense, através do SindenfRJ, e aproveitou a oportunidade para lembrar a todos os presentes a eleição que está acontecendo entre os dias 13, 14 e 15 de julho, no SindenfRJ e conclamou a enfermagem a participar do processo eleitoral, votando nos candidatos que terão a responsabilidade de dar continuidade na luta da categoria”.

O presidente do Coren, Pedro de Jesus Silva, foi o último a falar e, além de agradecer a fundamental contribuição das entidades participantes, Cofen, ABENFO Nacional, ABENFO/RJ, Aben/RJ, SindenfRJ e Coren-RJ. “Dentre as muitas metas previstas e alcançadas pela Junta Interventora do COREN-RJ desde 2009, a realização do Congresso Fluminense de Enfermagem na Atenção Primária a Saúde expressa, concretamente, o propósito atual da autarquia em fazer o trabalho acontecer, agindo sobre as realidades existentes e de acordo com os preceitos legais instituídos. Realizar este evento com a ABEn RJ, ABENFO-Nacional, SINDENF-RJ e com a contribuição dos representantes da Academia, docentes e alunos, enfermeiros da base do Sistema de Saúde do Estado, fortalecendo a integração das Entidades de Enfermagem do Rio de Janeiro, não é pouco, tendo em vista a história dos atos de violência contra a liberdade de expressão dos profissionais de enfermagem, como foi o caso de Marcus e Edma , enfermeiros que pagaram com a vida porque demarcavam posição e lutavam pela transparência e probidade administrativa no Sistema COFEN e Conselhos Regionais. Hoje, portanto, vivemos novos tempos. O que assistimos é, sem dúvida, um significativo avanço democrático, nas relações atuais existentes entre todos nós. Uma relação sem ameaças e medos, tolerante com o diferente, respeitosa perante as críticas e generosa na doação diária de energia e trabalho para os profissionais de enfermagem e, sobretudo, defensora da vida com dignidade”.

Logo após o discurso do presidente do Coren-RJ, foi realizada a Conferência Magna, proferida pelo coordenador da Missão para os Cuidados de Saúde Primária do Ministério da Saúde de Portugal, Luiz Augusto Pisco, que foi sobre o tema: “A redefinição da atenção primária para a construção de uma política nacional de saúde”, que muito contribuiu para os profissionais, autoridades e o público presente.






Fonte: COFEN

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Proprietário deste blog informa que as postagens de comentários são identificadas, cabendo ao autor dos mesmos a responsabilidade pelo teor de seus comentários.
Grato por sua participação.

Acompanhe por e-mail

Atalho do Facebook Enfermagem 30 horas hoje

Atalho do Facebook Enfermagem 30 horas hoje