Salário digno para os profissionais de Enfermagem

Projeto de Lei 2573/2011, que fixa pisos salariais para Enfermeiros, Técnico de Enfermagem, Auxiliar de Enfermagem e Parteiras. Altera Lei 7.498/86, que regulamenta o exercício da Enfermagem. Projeto de Lei 4924/2009, que fixa pisos salariais para Enfermeiros, Técnico de Enfermagem, Auxiliar de Enfermagem e Parteiras. Altera Lei 7.498/86, que regulamenta o exercício da Enfermagem.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Enfermeiro Washington aplaude ação de Pedro de Jesus,pPresidente do Coren-RJ que assinou artigo na Tribuna do Advogado, da OAB






Resoluções tinham propósito corporativo e tentavam legislar sobre corpo feminino



Sou enfermeiro, não advogado. Mas sendo um cidadão que gosta e que precisa por força do cargo estar bem informado, aplico-me em conhecer os direitos e deveres da minha categoria, que também são os meus. Assim, causou espanto a todos nós, da enfermagem, a publicação das resoluções 265 e 266/2012 do Cremerj. Ambas as matérias eram tão arrogantes e autoritárias que lembravam os plúmbeos anos do regime de exceção, imposto pela ditadura militar. Mas logo se desvendaram o propósito corporativo e a tentativa de legislar sobre o corpo feminino. E, assim, a 2ª Vara Federal deferiu liminar na ação pública ajuizada pelo Coren-RJ, suspendendo as resoluções que afrontavam visivelmente a legislação. Como era previsto, o Cremerj entrou com recurso, mas o Conselho Federal de Medicina (CFM) já suavizou o discurso. Depois do clamor das marchas pelas ruas do Brasil, com milhares de mulheres defendendo o seu direito de parir em segurança, da forma e onde lhes aprouver, o CFM agora só "recomenda que os partos sejam feitos em ambiente hospitalar de forma preferencial, por se tratar da opção mais segura", e alerta para os riscos de morte envolvendo partos fora de hospitais. Se só 2% têm seus filhos em casa, ao contrário do que afirmam, o parto domiciliar não é um risco; parir em hospital no Brasil, sim, pode ser um perigo de vida Como o CFM explica os índices nacionais de mortalidade perinatal, em torno de 68 mortes para cem mil partos (a OMS indica o máximo de 20 para 100mil), se 98% das mulheres brasileiras dão à luz nos hospitais? Se só 2% têm seus filhos em casa, ao contrário do que afirmam, o parto domiciliar não é um risco; parir em hospital no Brasil, sim, pode ser um perigo de vida! Nos últimos 11 anos, enquanto o mundo reduzia anualmente os óbitos nos partos a 3,6%, o Brasil conseguiu diminuir somente 0,3%, podendo deixar de cumprir, até 2015, uma das chamadas metas do milênio para a saúde pública. Em tempo e com ênfase: o Brasil é campeão mundial de cesarianas, com 52% de incidência contra os 15% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A cirurgia, por tantas vezes desnecessária, transformou o ato natural em intervenção cirúrgica de alta complexidade. Esse percentual não interfere nos índices de mortalidade? Só não enxerga quem não quer ver... O incentivo ao parto hospitalar pressiona psicologicamente um ser tão sensibilizado como a gestante a desprezar o parto natural humanizado e seguro, em casa ou na casa de parto. Amedronta e praticamente obriga a mulher a parir no hospital, mesmo com uma rede de saúde pública que não dá conta da demanda. * Pedro de Jesus Silva é presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Rio de Janeiro (Coren-RJ).

Artigo publicado na Tribuna do Advogado de setembro ìntegra:

Fonte: redação da Tribuna do Advogado / via: www.coren-rj.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Proprietário deste blog informa que as postagens de comentários são identificadas, cabendo ao autor dos mesmos a responsabilidade pelo teor de seus comentários.
Grato por sua participação.

Acompanhe por e-mail

Atalho do Facebook Enfermagem 30 horas hoje

Atalho do Facebook Enfermagem 30 horas hoje